Ciência por trás do cycle indoor: Suas perguntas respondidas

Estamos todos familiarizados com a citação de Sir Francis Bacon, “conhecimento é poder“. Aqui, respondemos a suas perguntas frequentes sobre a ciência por trás de nossos programas de cycle e apresentamos uma visão geral do que a pesquisa significa para você e seus participantes.

Amir H ​​Behforooz: “Se um aluno tem dor lombar, qual é a melhor maneira de pedalar?”

Aqueles que sofrem de dor lombar devem tentar manter a coluna perto do neutro (ligeira curva interna na parte inferior das costas), se possível durante todo o treino. Geralmente, isso é mais fácil com o guia um pouco mais alto que o assento para evitar a flexão da coluna.

O cycle indoor pode ser uma ótima opção cardiovascular para aqueles que estão se recuperando de uma lesão na coluna lombar, proporcionando um alinhamento confortável e com a intensidade gerenciada com cuidado.

Lana Endersby: “Adoro entender mais sobre todos os músculos em que envolvemos em cada posição. Especialmente para alunos com preocupações sobre a construção de pernas grossas ou que tenham dor leve em determinadas áreas.”

Os principais músculos envolvidos durante a ação de pedalar são os músculos de empurrar (glúteos e quadríceps) e os músculos de tração (isquiotibiais, flexores do quadril).

Estes músculos combinam-se para mover os pedais através da rotação de 360 ​​graus. As várias posições usadas no RPM permitem que esses músculos sejam usados ​​através de diferentes amplitudes de movimento. Por exemplo – sentado – colocará os quadris em mais flexão – criando mais alongamento nos glúteos e isquiotibiais. Ataques em pé com os quadris para a frente criam uma posição inicial mais extensa.

Como a maioria das coisas – o cycle indoor é muito individual, o recrutamento muscular varia entre os indivíduos.

Kelly Olsen Williams: “Meus alunos adoram qualquer coisa relacionada à frequência cardíaca, então qualquer coisa sobre os treinos que fazemos e por que os fazemos em relação ao treinamento cardiovascular seria algo que eles estariam interessados. Eu tenho alguns que são do tipo que imediatamente vira o pulso no final de cada intervalo para verificar sua frequência cardíaca.

O RPM é considerado um treinamento com picos de cardio – o que significa que treinamos com rajadas curtas de alta intensidade de uma base aeróbica. Essas flutuações ajudam a melhorar a forma física e a criar variedade no exercício.

A maior parte do treino é gasta na zona moderada a vigorosa – 60 a 85% da frequência cardíaca máxima, com curtos períodos de esforço, ocasionalmente levando-nos acima de 85%.

Um estudo conduzido em adultos inativos demonstrou que 8 semanas de RPM podem melhorar o VO2 (fitness aeróbico) em 12%.

Heather Anderson: “Esclareça para os professores que não são do Les Mills como você pode andar com segurança a mais de 110 / 120 bpm!”

O RPM, ocasionalmente, usa faixas com velocidades de música que excedem 110/120 bpm. Essas pistas nos estimulam a pedalar em seu próprio ritmo máximo.

Misturar essas fases mais rápidas com algumas das trilhas mais lentas fornece variedade de treinamento e mistura o recrutamento muscular.

Uma revisão sobre o treinamento de cadência mais elevado mostrou que há um potencial mínimo de lesão ao andar nessas velocidades máximas, desde que os participantes mantenham boa forma.

O QUE SIGNIFICA NOSSA PESQUISA NO CYCLE?

ESTUDO DE EFEITOS RPM

Este estudo envolveu oito adultos com excesso de peso, fisicamente inativos, mas saudáveis, completando oito semanas de três aulas de RPM  por semana. O condicionamento cardíaco melhorou (aumento de 11,8% no VO2 e redução de 7% na pressão arterial sistólica), a composição corporal melhorou (redução de gordura corporal de 13,6% e circunferência da cintura de 3cm) e colesterol total reduzido em 13%.

O que isso significa para você: você pode dizer aos seus recém-chegados que o RPM é uma maneira eficaz de melhorar o cardio, perder gordura corporal e reduzir os níveis de colesterol.

INTERVENÇÃO LES MILLS SPRINT

A ciência provou que o LES MILLS SPRINT foi eficaz na redução da massa gorda corporal, pressão sanguínea, colesterol total e concentração de triglicerídeos, melhorando a aptidão cardiovascular, a massa magra, a intolerância à glicose e a força.

O que isso significa para você: você pode dizer aos seus participantes regulares que a substituição de apenas uma sessão de exercício de intensidade moderada por duas aulas HIIT por semana, durante seis semanas melhorará significativamente sua saúde, aparência fitness e força.

O ESTUDO THE TRIP

Este estudo mostra que os praticantes iniciantes que participaram das aulas do THE TRIP ™, experimentaram as qualidades imersivas que aumenta o condicionamento físico e ajuda-os a manter um programa regular de exercícios daqui para frente.

O que isso significa para você: você pode dizer aos seus recém-chegados que o THE TRIP é uma maneira ideal de começar sua jornada de fitness.

Tem uma dúvida? Fique a vontade para entrar em contato via e-mail: lmb.treinamento@lesmills.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close