Canibalização das boutiques: David Minton fala sobre o que está chegando para o fitness

O especialista em fitness e tecnologia David Minton compartilha insights de seu mais recente relatório sobre a evolução da moda boutique e explica como a tecnologia ajudará a impulsionar o “Fitness 2.0”

Quais foram as principais conclusões do seu recente relatório sobre as boutiques no mercado fitness?

A indústria explodiu nos últimos anos e, a longo prazo, o consumidor será o vencedor. O consumidor terá muito mais opções, tanto em termos de academias e boutiques quanto de programação, que está se diversificando rapidamente, com ‘coquetéis de aulas’ – em que os alunos fazem várias aulas consecutivas. Já começamos a ver marcas encorajando o consumidor a fazer uma aula – seja funcional, HIIT, boxe ou algo assim. Esta variedade de atividades físicas está se mostrando ser imensamente popular, tanto em boutiques, como também em academias que oferecem o fitness virtual.

O que o surgimento das boutiques nos diz sobre o consumidor moderno de fitness?

Os dados demográficos nos dizem que as pessoas que os usam – particularmente Millennials e Geração Z – gostam de ter escolhas e não gostam de ser cercados por contratos. Assim, o poder simplesmente entrar e sair das boutiques é realmente atraente para eles, mesmo que eles paguem um preço mais alto por isso. As boutiques se beneficiam de ter suas raízes nas aulas em grupo, por meio das quais elas oferecem uma oportunidade para muitas pessoas participarem ao mesmo tempo. Para ter sucesso, você precisa atrair o público mais amplo e precisa fornecer uma experiência atraente que os faça voltar para mais.

Como você espera que o ambiente de negócios das boutiques evolua?

Nos próximos três anos, haverá mais fusões e aquisições, com muito mais dinheiro entrando na indústria. Em Londres e nos EUA, estamos vendo um tremendo investimento na indústria de boutiques. Este investimento está chegando, curiosamente, de hoteleiros e de promotores imobiliários, bem como estrelas do esporte e atuais boxeadores campeões mundiais. Não são apenas os capitalistas que trazem o dinheiro – todos estão investindo.

Qual o impacto do crescimento das boutiques no mercado fitness?

Todos os anos, fazemos uma auditoria do setor fitness do Reino Unido, e temos visto nos últimos anos – em conjunto com o crescimento das boutiques – um crescimento significativo nos estúdios de fitness em grupo em todos as 7.000 academias do Reino Unido. As aulas em grupo têm sido uma programação muito oferecida nesses estúdios, com um reconhecimento maior de que a programação de alta qualidade é fundamental para aumentar a frequência e manter os alunos por mais tempo. É uma tendência que registramos no Reino Unido e que eu observei em minhas viagens pelo mundo também.

Como as academias tradicionais podem lutar contra as boutiques para manter sua participação no mercado?

Eu acho que algumas academias tradicionais já responderam fantasticamente bem dobrando sua oferta de fitness em grupo enquanto fazem uma jogada maior em torno de suas salas adicionais. Gestores como David Lloyd e Bannatyne desenvolveram ofertas de “academias dentro de uma única academia” para competir com as boutiques e estão um tendo grande sucesso com isso. Também vale a pena ter em mente que a economia do modelo boutique significa que, mais cedo ou mais tarde, chegaremos a um ponto em que atingiremos o limite do número de pessoas preparadas para pagar preços de boutique por uma experiência de fitness individual.

Como você descreveria o papel das mídias sociais na formação do novo mercado de fitness?

É engraçado – por anos, tentaram banir os celulares nas academias. Agora, não há nada que eles queiram mais do que você pegar seu celular e começar a tirar fotos e compartilhá-las. As boutiques foram muito rápidas em perceber o potencial do marketing nas mídias sociais – particularmente no Instagram, onde o engajamento tende a ser muito mais alto do que em outras plataformas – então eles se certificaram de que os designs de seus espaços fossem chiques e compartilháveis.

Acho que as academias tradicionais demoraram um pouco para perceber o potencial do YouTube e do Instagram – em parte porque leva mais tempo para acertar e pregar a qualidade. A outra razão é que eles ainda estão tentando descobrir o quanto devem permitir que o conteúdo gerado pelo usuário seja inserido em seus canais de mídias sociais, em comparação com o conteúdo de marca de alta qualidade.


As ofertas de boutiques estão transformando a cara da indústria de fitness

E qual deve ser a estratégia para os clubes tradicionais em face das crescentes ofertas de ginástica domiciliar?

Sem dúvida, a tecnologia vai impulsionar o próximo grande crescimento do fitnessFitness 2.0. A interação entre a academia e os exercícios físicos sob demanda aumentará, sem dúvida, e isso se misturará muito bem para academias que podem fornecer conteúdo de alta qualidade e ofertas de condicionamento físico 360 ​​graus para seus alunos. Aqueles que não conseguem se adaptar podem notar seus clientes voltando-se para os influenciadores e os serviços de streaming de condicionamento físico. É por isso que os gestores precisam se manter muito conscientes das preferências do consumidor e do que está por vir. Obviamente, o Peloton está fazendo uma grande jogada no mercado de fitness em casa no momento, o que será interessante de assistir. No fundo da minha mente, continuo pensando que, historicamente, as pessoas compraram equipamentos domésticos e logo se tornou apenas um utensílio para pendurar roupas. Será que veremos um resultado diferente desta vez?

Gigantes da tecnologia como Apple e Google também estão investindo pesado no fitness, o que isso significa para a indústria como um todo?

Algumas das maiores empresas do mundo e as equipes mais inteligentes estão se concentrando em nosso setor. Apple, Samsung, Google já começaram com os relógios fitness e isso é apenas o começo do que está por vir. A concorrência se tornará mais acirrada, mas essas empresas também ajudarão a aumentar o mercado, de modo que há prós e contras em seu envolvimento. Mais uma vez, será o consumidor que mais se beneficiará e a nova tecnologia ajudará a aumentar a experiência dos alunos e oferecerá insights de dados com os quais anteriormente não poderíamos sonhar.

Como isso vai evoluir nos próximos anos?

Um dos desenvolvimentos mais interessantes nos próximos anos será ver se todos nós realmente estamos equipados com chips de computador. A tecnologia já existe e os chips nos permitiriam monitorar nossa saúde imediatamente e oferecer informações sem precedentes sobre nossas métricas de condicionamento físico. Mas sempre haverá preocupações com a saúde e a privacidade ao colocar a tecnologia em seu corpo, então será interessante ver se ela fica no esquecimento, como o Google Glass, ou se os chips de computador instalados sob nossa pele se tornam tão onipresentes quanto os smartphones.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close