O poder do EFEITO DA REPETIÇÃO

Você chega para a sua primeira aula de BODYPUMP e coloca 5kg de cada lado na barra na hora de fazer o trabalho de bíceps você se pergunta se você vai ter mais ou menos resultados que aquelas pessoas que estão na sala da musculação, fazendo três séries de dez repetições com 20kg na barra.

Você fica confuso e não entende porque você vai ter muito mais resultados que aquela pessoa.

O BODYPUMP foi construído, não apenas com pesquisas, mas também utilizando a experiência de atletas, professores e o time técnico da Les Mills. Se você acha que levantar pesos menores que os da sala de musculação não dá muito resultado, a ciência prova que você está equivocado. Foi provado que a fadiga muscular é o que gera resultados e a carga, sendo pequena ou grande, é uma característica secundária.

O BODYPUMP é um programa especializado em criar múltiplas formas de fadigar os seus músculos. Com uma quantidade extremamente alta de repetições, que gira em torno de 1000 por aula, e empregando diversos movimentos diferentes, o programa acaba por trabalhar os músculos de forma mais rápida e eficiente que na musculação comum.

Três fatores são fundamentais para garantir o resultado do BODYPUMP:

1) Velocidade das repetições:

Modificar a velocidade do movimento obriga o músculo a ativar diferentes tipos de fibras. Os movimentos mais lentos acionam as fibras mais profundas, as de tipo um, enquanto os movimentos rápidos ativam fibras tipo dois, as mais superficiais.

2) Amplitude dos movimentos:

Entre uma repetição e outra o músculo é oxigenado quando você para a contração, isto é, quando descansa o peso. Esse descanso pode ser quebrado quando se faz as repetições pela metade, isso faz com que o praticante atinjar mais rapidamente o ponto de fadiga, mesmo utilizando uma pequena carga de peso.

3) Sequência de fadiga:

Focar em áreas específicas permite que o praticante trabalhe seletivamente os músculos. Dessa forma acontece um efeito de fadiga generalizada ao final do treino. Isso também acelera o metabolismo e segue queimando calorias após o final da sessão.

Viu porque você deve amar cada repetição? Muitas repetições em diversas formas e tamanhos vão te trazer resultados. Esse é The Rep Effect!

7 comentários em “O poder do EFEITO DA REPETIÇÃO

  • 06/06/2016 em 21:26
    Permalink

    Sensacional, me deu uma enorme vontade de fazer esta aula!!!

    Resposta
  • 15/06/2016 em 00:34
    Permalink

    Body pump é uma aula completa para quem gosta de treinar,como ministro varias aulas e não tenho tempo de fazer musculação. O body pump pra mim faz a diferença. É show??

    Resposta
  • 20/06/2016 em 16:18
    Permalink

    Show! parabéns… vou correr fazer BODYPUMP

    Resposta
  • 14/07/2016 em 21:43
    Permalink

    Amo esse treino. Já faz um tempo que faço bodypump. Melhor treino da minha vida

    Resposta
    • 15/07/2016 em 09:23
      Permalink

      Nós também amamos BODYPUMP Marislene! ??

      Resposta
  • 21/04/2017 em 15:50
    Permalink

    “Foi provado que a fadiga muscular é o que gera resultados e a carga, sendo pequena ou grande, é uma característica secundária”.

    Comentário: O treinamento esportivo é baseado em gerar estresse no organismo, a famosa “quebra da homeostasia”, ou seja, durante qualquer tipo de treinamento, o objetivo é redução do desempenho pela fadiga (homeostase – estímulo para “quebrar” a homeostasia, consequentemente, redução do desempenho e em seguida, oferecer condições para recuperação e assim, recuperar e/ou supercompensar). Ou seja, independentemente se o estímulo é na musculação ou na aula do Body Pump, a fadiga vai existir! A chamada no artigo “fadiga muscular” vai acontecer na sala de treinamento de força, na sala de aulas coletivas, com ou sem o Body Pump. Isso se, o estímulo aplicado não for débil! Aplicou carga de treinamento, existe a fadiga.

    “O BODYPUMP é um programa especializado em criar múltiplas formas de fadigar os seus músculos. Com uma quantidade extremamente alta de repetições, que gira em torno de 1000 por aula, e empregando diversos movimentos diferentes, o programa acaba por trabalhar os músculos de forma mais rápida e eficiente que na musculação comum.”

    Comentário: Em quais indivíduos? Com qual protocolo de treinamento? Comparado a qual treinamento na musculação? O que é “trabalhar os músculos de forma mais rápida e eficiente que na musculação comum”, o que o Body Pump gera de forma mais rápida e eficiente que a musculação? Hipertrofia? Modificação da composição corporal? Ganhos de resistência de força? Potência aeróbica? Alias, como comparar o Body Pump que é uma atividade aeróbica (se você consegue desempenhar uma atividade por mais de 72 segundos seguidos, é caracterizado como estímulo aeróbico…cada música do B.P você fica mais de 2 minutos contínuos sem pausa, desempenhando um exercício, ou seja, B.P nada mais é que um treinamento aeróbico intervalado). E a musculação? Também dá para realizar mais de 1000 repetições em diferentes movimentos e por isso, realizar um treino aeróbico. Mas, os principais treinos realizados na musculação são: hipertrofia (metabólico), treino de força máxima, força explosiva (neural) e resistência de força…TREINOS ANAERÓBICOS LÁTICOS E ALÁTICOS.

    Múltiplas fadigas? O que seria múltiplas fadigas? Depleção de ATP pronto, CP, glicogênio….Mas, isso não é só o BP que é capaz de gerar, correr na esteira, caminhar na lagoa, fazer cross fit…tudo gera “múltiplas fadigas”. Até porque, fadiga é multifatorial. Então o termo “múltiplas fadigas” foi usado indevidamente (pode ser tudo, como pode não ser nada) e redundante.

    “1) Velocidade das repetições:
    Modificar a velocidade do movimento obriga o músculo a ativar diferentes tipos de fibras. Os movimentos mais lentos acionam as fibras mais profundas, as de tipo um, enquanto os movimentos rápidos ativam fibras tipo dois, as mais superficiais”.

    Comentário: Se no B.P com peso (carga) super, super subestimada (porque para fazer 1000 repetições – que por curiosidade vocês falam como se fosse algo muito inovador e benéfico- o peso (a carga) tem que ser sacrificada. Retomando o raciocínio… se no BP com a carga sacrificada e com velocidade “ritmada” (controlada pela música) em que a mais rápida é o “1-1” e a mais lenta “4-4”, vc é capaz de ter esse efeito sobre as fibras (pensando e acreditando que vocês usaram dados de registro de atividade EMG), imagina na musculação que o peso é maior (pode ser maior) e você pode desempenhar na maior velocidade possível e não só na “1-1”, bem como, pode realizar com a maior mobilização possível (apesar do movimento em si ser lento por causa da carga) com pesos altíssimos. O efeito é potencializado na musculação certo???

    “2) Amplitude dos movimentos:
    Entre uma repetição e outra o músculo é oxigenado quando você para a contração, isto é, quando descansa o peso. Esse descanso pode ser quebrado quando se faz as repetições pela metade, isso faz com que o praticante atinjar mais rapidamente o ponto de fadiga, mesmo utilizando uma pequena carga de peso”.
    Comentário: Juro que queria entender isso.

    “3) Sequência de fadiga:
    Focar em áreas específicas permite que o praticante trabalhe seletivamente os músculos. Dessa forma acontece um efeito de fadiga generalizada ao final do treino. Isso também acelera o metabolismo e segue queimando calorias após o final da sessão”.

    Comentário: O que “acelera o metabolismo e segue queimando calorias após o final da sessão”? Treino “seletivo” por grupo muscular? Entendi. Só esse?

    Viu porque você deve amar cada repetição? Muitas repetições em diversas formas e tamanhos vão te trazer resultados. Esse é The Rep Effect!
    vi!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close